Escola necessita de envolvimento com família para lidar com conflitos extraescolares

Escola necessita de envolvimento com família para lidar com conflitos extraescolares

É importante criar um ambiente de diálogo, em que os alunos se sintam à vontade para falar dos temas que os incomodam

A relação entre escola e família é sempre uma via de mão dupla: tudo o que acontece na escola pode interferir no comportamento da criança ou adolescente em casa, e o que ocorre na relação com os pais também pode influir no ambiente escolar. “Por isso, família e escola devem trabalhar de maneira próxima no processo de educar, dividindo e compartilhando responsabilidades”, diz Eduardo Calbucci, professor e autor do Programa Semente.

Em relação aos problemas familiares – como a morte de um parente próximo, a separação dos pais ou dificuldades financeiras -, que muitas vezes provocam uma mudança no comportamento e no desempenho escolar do aluno, essa proximidade se torna ainda mais importante.

No entanto, por conta da própria dinâmica das escolas, em que os estudantes fazem parte de um grupo maior, os professores nem sempre têm condições de identificar e de entender com maior profundidade um conflito que, eventualmente, o aluno esteja vivendo fora do ambiente escolar. Além disso, cada pessoa vai reagir a essas situações de uma forma diferente. “Alguns ficam retraídos, outros agressivos, e há aqueles que não exteriorizam os sentimentos de maneira muito clara”, diz Calbucci.

Aí, entra uma das vantagens dos programas de habilidades socioemocionais, como o Programa Semente. “Quando uma escola tem um programa estruturado de aprendizagem socioemocional, o professor passa a ser um interlocutor privilegiado dessa criança ou adolescente, ao criar um ambiente de diálogo, em que eles se sintam à vontade para falar de assuntos que os incomodam”, afirma Calbucci.

A partir desse reconhecimento, a escola pode atuar de forma mais individualizada com aquele aluno. “A primeira coisa é conversar com a família e, dependendo da gravidade do caso, decidir juntos se devem encaminhar para um especialista, como um psicólogo ou psiquiatra. Ou ajudar o estudante a superar o conflito, aproximando a escola da família”, afirma Calbucci.

2019-07-16T11:50:38+00:00 Semente na Escola|