Crianças brasileiras estão entre as mais estressadas do mundo, segundo Pisa.

Crianças brasileiras estão entre as mais estressadas do mundo, segundo Pisa.

O Programa Semente, aplicado em escolas brasileiras, ensina a lidar com as emoções e comportamento. De acordo com estudo, 56% dos alunos entrevistados  relataram tensões relacionadas à escola

De acordo com estudo realizado com mais de 500 mil estudantes de 72 países, crianças brasileiras estão entre as mais estressadas dentro da escola no mundo inteiro. Os dados de 2015 são referentes ao Pisa — Programa Internacional de Avaliação de Estudantes promovido pela OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico).

56% dos entrevistados relataram tensões relacionadas à escola. Entre os países com menor percentagem de alunos ansiosos estão: Holanda (39%), República Tcheca (40,5%) e Alemanha (41,5%). Nas colocações mais altas estão Republica Dominicana (com 80%), Brasil (81%) e Costa Rica, em primeiro lugar, também com 81%.

Quando falamos em ansiedade, podemos até pensar naquele frio na barriga ou, nos casos mais extremos, no medo exagerado. Mas a ansiedade é um estado absolutamente natural e esperado, que nos ajuda a lidar melhor com as situações do dia a dia. “A questão é que a ansiedade tem um ponto de equilíbrio – menor que esse ponto não ajuda e maior, atrapalha”, explica Celso Lopes de Souza, médico psiquiatra e fundador do Programa Semente.

Junto com um grupo de educadores e com base no Casel, principal centro de estudos da aprendizagem socioemocional do mundo, Celso fundou o Programa Semente, que está oferecendo às escolas brasileiras a possibilidade de preparar seus alunos a lidarem com as emoções, como a ansiedade.  O Casel reuniu em 2011 diversos pesquisadores ao redor do mundo para avaliar o impacto de programas de habilidades socioemocionais na vida de 270 mil estudantes. Os resultados de boas práticas incidiram não só na diminuição da possibilidade de surgimento de transtornos psiquiátricos, como também, na melhora em média de 11% no desempenho acadêmico.

Numa aula sobre autoconhecimento e autocontrole do Programa Semente, por exemplo, o aluno é incentivado a refletir sobre suas emoções e se conhecer melhor. De forma estruturada, o programa trabalha os cinco domínios: autoconhecimento, autocontrole, empatia, tomada de decisões responsáveis e habilidades sociais. O controle da ansiedade, por exemplo, é fomentado com estratégias que auxiliam os estudantes a enfrentarem situações, procurando reconhecer os desafios e as capacidades de forma realista e sem distorções.

“Saber reconhecer emoções, relacionando-as com os pensamentos que as geram e entendendo como tudo isso influencia o comportamento permite que cada um compreenda melhor as próprias limitações e conheça suas fortalezas, o que aumenta a confiança, o otimismo e a autoestima”, afirma Celso.

Para isso, o programa ensina ao aluno estratégias para identificar e questionar os pensamentos, especialmente quando as emoções não estão contribuindo para o enfrentamento das situações.

Um exemplo do que acontece nas aulas é a indicação e prática do acrônimo IDEA:

I – Identifique os pensamentos que estão ocorrendo no momento da ansiedade intensa;

D – Desafie os pensamentos com perguntas simples: “Posso estar exagerando?” “Há outras possibilidades para interpretar essa situação?;

E – Encontre novas formas de pensar e

A – Assuma um novo comportamento.

“É o que chamamos de flexibilização cognitiva, muito eficaz para evitarmos armadilhas em momentos em que enxergamos a realidade de modo distorcido, o que pode levar a erros de interpretação”, explica. Um exemplo disso é quando uma pessoa acorda com dor nas costas e interpreta aquela situação como sendo uma doença grave. Um rápido questionamento sobre o pensamento “Estou com uma doença grave” pode disparar dias de ansiedade.

Para Celso, as competências socioemocionais, se trabalhadas com êxito nas escolas, e também em casa, podem ser um grande trunfo para prevenir que a ansiedade saudável se torne patológica. “Todos os pilares são essenciais, mas existem dois que são a chave para que esse problema não se intensifique: os pais e as escolas precisam incorporar que as emoções importam. Do mesmo jeito que ensinamos as crianças a nadar e andar de bicicleta, devemos ensiná-las a lidar com suas emoções”, conclui.

O “Domingo Espetacular” veiculou uma matéria sobre esse assunto, ressaltando a importância da aprendizagem socioemocional nas escolas.

Assista à reportagem completa:

 

 

2017-11-06T19:57:39+00:00 Artigos|