Depressão não pode ser tratada como “frescura” dentro das escolas

Depressão não pode ser tratada como “frescura” dentro das escolas

Segundo dados da OMS, doença cresce no mundo todo, principalmente entre os jovens

A depressão afeta mais de 300 milhões de pessoas no mundo. Segundo o último levantamento da Organização Mundial da Saúde (OMS), esse número aumentou quase 20% nas últimas décadas, e doença atinge hoje 5% da população total da Terra. No Brasil, a estimativa é que 11,5 milhões estejam nessa situação.

Os órgãos de saúde apontam ainda que a depressão tem crescido entre os jovens. A consolidação das redes sociais alterou a forma como crianças e adolescentes interagem entre si e com o mundo à sua volta. A tecnologia também pode facilita o contato com situações para os quais nem sempre os jovens estão emocionalmente preparados. Diante disso, a sala de aula pode ser um local de reflexão, conscientização e acolhimento.

O assunto, porém, deve ser falado com muito cuidado nas escolas, pois se trata de uma doença, um estado patológico da tristeza. “Depressão não é frescura nem opção e precisa ser tratada. Um professor em sala de aula não tem condição de diagnosticar uma depressão, isso é coisa de psiquiatra. Por esse motivo, se houver uma desconfiança de um caso como esse, é muito importante que a criança seja encaminhada para os profissionais da saúde mental”, afirma Eduardo Calbucci, professor e um dos autores do Programa Semente.

O Programa Semente leva para dentro de sala de aula a aprendizagem socioemocional. A partir de cinco domínios – autoconhecimento, autocontrole, empatia, decisões responsáveis e habilidades sociais –, o material ajuda a não estigmatizar a doença e a mostrar que depressão não é sinônimo de fraqueza.

“A partir do momento em que o professor vai se tornando especialista em aprendizagem socioemocional, ele entende se a tristeza de um aluno pode ser esperada ou não para aquela faixa etária. Isso pode ligar um sinal de alerta importante”, ressalta Calbucci.

Formação

Com o objetivo de oferecer formação socioemocional para os professores, o Programa Semente lançou neste ano um curso completo de ensino à distância. A plataforma Coreskills é baseada em estudos das universidades de Stanford, Pensilvânia, Harvard e Califórnia.  Os cursos são divididos em módulos, com duração média de 60 (sessenta) minutos por aula, com um total de 6 aulas por curso.

Mais informações você encontra no site do Programa Semente.

2019-06-14T10:07:30+00:00 Semente na Escola|